Em tempos de crise, seria o aluguel de equipamentos a melhor alternativa?

9:35 AM
Em época de mares revoltos, manter as contas equilibradas torna-se uma tarefa bem complexa. É comum as empresas cortarem gastos e investimentos nos momentos de crise financeira. 
O ideal é que as empresas avaliem com muita criticidade o que se pode ajustar. O corte de custos deve ser uma tarefa recorrente e não uma ação em momentos difíceis. E nesse quesito entram até mesmo aqueles projetos que aumentariam a produtividade do negócio. Como, geralmente, eles dependem da aquisição de equipamentos, ou seja, fazer um investimento que será recuperado ao longo do tempo de uso, acabam sendo suspensos. Porém, com isso, ficam adiados também, os benefícios que o negócio teria com o uso dos equipamentos ou serviços a serem implementados. 

O aluguel de equipamentos pode ajudar a empresa a equilibrarem suas finanças e manter operações em um momento de crise?


Em anos de crise, inflação preocupante, juros de empréstimos subindo, a economia crescendo timidamente, para as empresas, nem sempre é possível aumentar a produção, consequentemente, as vendas. As medidas tomadas pelo governo, preocupam empresários de todos os ramos e portes, e a melhor ação é ajustar o orçamento.

O aluguel de equipamentos fornece uma perspectiva objetiva em relação aos gastos. Tendo ciência do número de dias que precisa dispor de cada equipamento e o custo de modo antecipado, é possível equilibrar esses custos e projetar seu impacto no caixa no médio e no longo prazo. Usando equipamentos próprios ou de terceiros contratados, não é possível estimar custos com manutenção, problemas e gastos com paradas e até mesmo os gastos envolvidos no transporte e montagem de cada um desses equipamentos.

A redução de vendas, crescimento da inadimplência, aumento das despesas financeiras, aumento de custos e o volume de capital para financiamento impacta na tomada de decisão na hora de adquirir um novo equipamento. O aluguel pode ser uma resposta inteligente e rápida ao aumento dos custos de financiamento na compra de equipamento novo, além de evitar um maior grau de endividamento de empresa no longo prazo.


Algumas empresas, com o objetivo de alavancar o crescimento das companhias, oferecem uma modalidade alternativa de acesso à equipamentos, através da locação, que permite sua utilização como serviço. Com isso, não será necessário adiar ou mesmo cancelar projetos que dariam à empresa a condição de aproveitar as oportunidades que uma crise pode trazer.
As empresas oferecem a garantia da atualização tecnológica, manutenção e suporte. Os equipamentos podem ser novos ou usados e o período de locação pode ser de curto, médio ou longo prazo. Além das vantagens operacionais, existem as vantagens contábeis de podem permitir o lançamento dos valores envolvidos na locação como despesa.
De acordo com o Instituto de Estudos Financeiros (IEF)1[1], a formação de preços de aluguel de equipamento é muito mais do que o simples processo de acumular custos e acrescentar uma margem de lucro. Com muita frequência, a formação de preços é tratada de forma simplista, sendo o maior cuidado não deixar escapar nenhum item do custo.
Para que o preço calculado produza consequências satisfatórias no curto, médio e longo prazo, alguns princípios devem ser observados. É importante lembrar que erros no processo de formação de preços podem   não ter efeitos negativos sobre a empresa apenas no curto prazo. A longo prazo, esses erros trarão consequências de alguma forma.

Os principais princípios a serem observados na formação de preços são os seguintes:

-Distribuição dos custos comuns entre produtos e serviços;
-Volume de produção   para cálculo do custo unitário;
-Tributação 
-Tratamento dos custos variáveis não padronizados;
-Inclusão de todos os custos de oportunidade;  
-Distorção do objetivo da formação de preços.



Caso prático - Formação de preço de aluguel de equipamento

Método:
R
etorno sobre o investimento.
  A empresa X é prestadora de serviço de locação de equipamentos de informática. Ela precisa calcular o preço da diária de locação de um tipo de projetor sem qualquer outro equipamento adicional. Para o projetor locado com outros equipamentos, será usada outra tabela de preços.

 1. Dados para cálculo do preço
 1.1 Custo direto
- Custo médio de entrega e retirada por projetor: R$ 67,00
- Custo do projetor (inclui custo estimado de reposição da lâmpada, considerando o lote de 60 projetores existentes):  R$ 2.700,00                       
- Vida útil do projetor: 3 anos.
- Valor residual do projetor (10%):  R$270,00
- Meta de retorno do investimento em equipamentos: 15% ao ano (1,17% ao mês).
 
 1.2 Carga tributária
A empresa está no regime tributário de lucro presumido. A base de cálculo para o imposto de renda e a contribuição social sobre o lucro é 32%. As alíquotas são de 25% para o imposto de renda e 9% para a contribuição social sobre o lucro.
- COFINS: 3%.
- PIS: 0,65%
- ISS:5%

1.3 Outros dados
- A empresa tem 60 projetores para locação.
-  Média de diárias locadas de cada projetor por mês: 17
- Custo de manutenção projetor: 0,7% ao mês sobre o valor de aquisição
- Custo mensal de administração da X:    R$ 42.435,34
 - Percentual de rateio do custo de administração da empresa aplicável aos projetores: 13,2%

2. Cálculo do preço da diária do projetor

2.1 Custo direto
Custo de entrega e retirada por projetor (média) = R$67,00
Custo de manutenção mensal por projetor: 0,7% x 2.700,00 = R$18,90
Custo de manutenção por diária do projetor = 18,90/17 = R$1,11
Valor residual do projetor (10%)   = 0,1 x 2700,00 = R$270,00
Valor presente do valor residual (FV = 270, i=15% ao ano e n =3): R$177,53
Investimento líquido = R$2700,00 – R$177,53 = R$2.522,47
Depreciação econômica mensal (FV = 2.522,47, i = 1,17% ao mês, e n = 36 meses):   R$56,75
Depreciação econômica por diária: R$56,75/17 = R$3,34
Remuneração mensal do investimento: 1,17% x R$2.522,47 =   R$29,51
Remuneração do investimento por diária:  R$29,51/17 = R$1,74
Total do custo direto: R$67,00 + R$1,11 + R$3,34 + R$1,74 = R$73,19

 2.2 Custo indireto
 Custo administrativo mensal da empresa:
R$42.435,34                                               
Custo administrativo mensal alocado aos 60 projetores: 13,2% x R$42.435,34 = R$5.601,46
Custo administrativo mensal por projetor: R$5.601,46/60 = R$93,36
Custo administrativo por diária do projetor: R$93,36/17 = R$5,49

2.3 Custo unitário total: R$73,19 + R$5,49 = R$78,68

2.4 Preço da diária
Carga tributária sobre vendas: 
(0,32 x 0,25) + (0,32 x 0,09)+0,03+0,0065+0,05 = 0,1953 ou 19,53%
Preço ideal:  
R$78,68/(100% - 29.31%) =  R$87,47

O   processo de formação de preços é naturalmente abrangente e complexo e, por isso, bastante desafiador. A não aceitação desse fato conduz habitualmente a decisões erradas. Em muitos casos, as consequências de decisões erradas de preço não se fazem sentir de imediato. É exatamente nesse ponto onde a precificação incorreta pode ser mais danosa para a empresa.
Compreender o momento difícil como uma oportunidade que está se revelando e descobrir como tirar proveito dela requer criatividade, ousadia e perseverança. As mudanças podem estar no aumento de receitas para que se tenha um resultado operacional mais satisfatório.

Atuar para o aumento das receitas e a redução dos custos e despesas, assim, as empresas estarão otimizando as chances de superar tempos difíceis e o aluguel de equipamentos pode ser uma saída, tanto para locador quanto para o locatário.


Autor do artigo: Diogo Anversa Pereira - Consultor de Venda Delta Cable



[1] IEF,Instituto de Estudos Financeiros.Disponível em:< http://www.ief.com.br/forpreco.htm#cp2> Acesso em 20 fevereiro de 17.

Share this

Próximo
« Prev Post
Anterior
Next Post »